O cerco contra a corrupção no futebol

VILANOVA DEJA DE SER ENTRENADOR DEL BARCELONA PARA TRATARSE DE SU ENFERMEDADDigamos que são alvissareiras as notícias vindas da Espanha. A prisão do ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell, e mais quatro pessoas na cidade catalã, nos dá esperança de que a Justiça poderá ser feita no mundo do futebol. Não quero aqui condenar o ex-dirigente, mas ressaltar que existe gente de olho no dinheiro que circula dentro e ao redor do esporte mais popular do planeta. Para o bem e para o mal.

Rosell foi detido por suspeitas de lavagem de dinheiro. Segundo o “El País”, da Espanha, se investiga uma suposta organização criminosa que teria cobrado comissões ilegais sobre os direitos de imagem de TV da Seleção Brasileira e depois regularizavam os lucros através de paraísos fiscais como Andorra. O ex-dirigente também foi presidente da Nike e teria sido nessa época que manteve um contrato com a CBF durante a gestão de Ricardo Teixeira.

Tudo isso foi revelado, em 2013, pelo jornal “O Estado de São Paulo”. Com base nessa história, começaram as investigações que culminaram nas prisões. Hoje, policiais fizeram buscas e apreensões em vários lugares de Barcelona, Lleyda, Girona e Andorra. Sandro Rosell também é investigado nos Estados Unidos pelo FBI com suspeita de desvio de milhões para contas secretas de Teixeira.

A matéria completa você lê aqui nesse link:

http://esportes.estadao.com.br/noticias/futebol,policia-espanhola-prende-ex-presidente-do-barcelona-sandro-rosell-por-contratos-com-a-cbf,70001807248

http://brasil.elpais.com/brasil/2017/05/23/internacional/1495521178_853700.html

No mesmo dia, ficamos sabendo da prisão de dois ex-governadores do Distrito Federal e um assessor do presidente Michel Temer por conta de superfaturamento na reforma do estádio Mané Garrincha, o mais caro da Copa no Brasil. Teria sido algo em torno de R$ 900 milhões a mais em propinas. Existem suspeitas sobre outros estádios do Mundial do 7 a 1, o que só faz aumentar a nossa vergonha, mas que deve nos fazer cobrar uma averiguação a todo instante por parte das autoridades e dirigentes de clubes.

O Corinthians está com a auditoria terminada. É essencial que venha à tona tudo o que se passou nas negociações do ex-presidente Andrés Sanches e a Odebrecht. Que se esclareça o pagamento de R$ 500 mil a alguém de codinome “Timão”, que aparece na planilha de propina da empreiteira. Quais providências o clube sobre isso? Destacou algueem para acompanhar as investigações? Diante de tantos escândalos cabe a pergunta: será que Itaquera custou mesmo mais de 1 bilhão como dizem? Nem me refiro ao que ficou faltando ser completado como o acabamento do piso dos setores norte e sul, admitido pela administração do estádio ao UOL no fim-de-semana.

Num dia em que ficamos sabendo que Ricardo Teixeira pode ser preso através de um pedido da polícia espanhola, que tal sonharmos que, finalmente, o Ministerio Público descobriu que o futebol dá muito lucro e que tem muita gente ganhando com isso de forma desonesta. Imaginem amigos, se isso aconteceu na Confederação Brasileira de Esportes Aquáticos e terminou com a prisão de quatro dirigentes, quanto mais não será num mundo ainda mais milionário como o Planeta Bola? A Fifa que o diga.

 

Anúncios

A copa do mundo de Carille

()  SPO“Vai ser  a nossa Copa do  Mundo!” Foi assim que Fabio Carille definiu o Campeonato Paulista em sua primeira coletiva como novo técnico do Corinthians. A expressão refletiu bem o espírito e a mensagem que o jovem treinador queria passar para a torcida e para todo o grupo. A má temporada de 2016 terminou sem títulos, sem vaga na Libertadores e deveria ficar para trás. Se o que havia pela frente era o Estadual, que assim fosse. E foi.

Carille sabia que precisava de resultados rápidos. Seria avaliado desde o começo e carregaria a sombra de ter sido auxiliar de nomes vitoriosos. Qualquer mau desempenho traria cobranças ainda mais fortes. Ontem, depois do título ganho, ele reconheceu os dias difíceis do começo da temporada.

Uma campanha que começou discreta. Vitória magra contra o São Bento, derrota em casa para o Santo André, e outros dois “1 x 0” diante de Novorizontino e Audax. Nove pontos em 12, alguma organização defensiva e pouco poder de criação.

Porém, algo conspirou a favor da campanha porque a ausência de dinheiro e o mau desempenho dos contratados do ano passado, exigiram uma atitude que foi ao encontro do anseio da arquibancada. Enquanto Marlone pedia pra não jogar por causa de uma virose, Guilherme convivia com seu calvário no departamento medico, e Marquinhos Gabriel e Giovanni Augusto não conseguiam justificar a presença na equipe, jovens como Maycon, Guilherme Arana, Léo Jabá, Léo Santos, Pedrinho entre outros pediam passagem. Deixaram de ser promessas e brigaram por uma vaga nos titulares.

Isso por si só ajudou a diminuir a desconfiança dos torcedores. Mas foi a vitória em cima do Palmeiras que parece ter dado a liga final na massa. Era a quinta rodada do Paulistão, o principal rival, o principal candidato, o time que mais investiu e atual campeão brasileiro. O gol foi emblemático. Relembrem. Time sofrendo atrás, com um a menos, de repente Maycon dispara, ganha de Guerra e tem que tocar duas vezes para a bola passar pela defesa palmeirense e chegar até Jô, ainda naquela altura contestado como reforço para o ataque.

A impressão que passa é que o grupo entendeu que, com disposição e organização, se pode chegar a algum lugar. A torcida se reservou o direito de passar a achar que dava para ir mais longe e, mais do que tudo como mostram as redes sociais, o risco de passar vergonha estava acabado. Depois, vitória no interior sobre o invicto Mirassol, surpresa da competição até então, e em cima do Santos com novo gol de Jô.

Com os resultados, Carille ganhou tempo para trabalhar. Fez de novo o Corinthians ser a melhor defesa do Estadual, não perdeu clássico algum, terminou invicto diante das equipes da Série A do Brasileirão (8J – 4V – 4E). Fez sete gols nos últimos quatro jogos. Sofreu dois. Mudou de esquema. Não de modelo de jogo. Ganhou a sua “Copa” e agora pode respirar aliviado. Ao contrário do que dizem, ele não precisa se distanciar da sombra de Tite. Como Guardiola não se distancia de Cruyff, que seguia Rinus Mitchell, como pintores sempre copiam quadros de seus mestres. Como bem dizem os estudiosos desse esporte fascinante, não existe folha em branco no futebol. A chave é desabrochar o talento e se desenvolver.

 

 

Drogba virá? Decisão até amanhã

2015-09-23-chi-cimon-104

Está com jeito que não virá, mas a definição sobre o futuro de Drogba ainda não aconteceu. O atacante marfinense tem algumas propostas, entre elas a do Corinthians e outra de um time da Major League. Esta é a financeiramente maior. Porém, pessoas que acompanham a negociação não descartam a vinda do jogador.

“Já estive mais confiante, mas também já estive mais pessimista”, me contou uma pessoa que acompanha de perto o imbróglio. Foram duas reuniões na Europa neste fim-de-semana. Uma para acalmar os empresários, enfurecidos pelo vazamento da notícia. Segundo sabe o Corinthians, Drogba tem várias pessoas que cuidam da carreira dele e alguns só seriam informados quando estivessem nos detalhes finais do acerto. Com a publicação da notícia na quinta-feira, quem estava de fora reclamou muito e o negócio praticamente “melou”.

Na segunda reunião, os ânimos estavam apaziguados e a aceitação que o nome do atacante recebeu junto à torcida, ajudou a melhorar o ambiente. O Corinthians aceitou as exigências que foram feitas por Drogba e aguarda uma avaliação, seguida de resposta, por parte do ex-atacante do Chelsea e que descansa na Costa do Marfim.

Amigos do jogador desmentem qualquer negociação entre ele e o clube brasileiro. Mas dirigentes corintianos dizem que todos foram orientados a negar qualquer contato. A partir de agora, o “futebol” vai assumir o comando da conversa e, embora não haja uma data definida, a resposta deve ser dada até amanhã.

Bordeaux se antecipa e anuncia empréstimo de Pablo ao Corinthians

2016-03-20_scb_pablo

O Corinthians ainda não anunciou, mas se havia alguma dúvida, o Bordeaux, da França, acabou de terminar com ela. O clube divulgou, em sua página oficial, o empréstimo do zagueiro Pablo por um ano e com preço do passe fixado. O valor para a compra não foi revelado na nota.

O novo reforço para a zaga corintiana deve chegar ao Brasil na manhã de sábado para fazer exames médicos e assinar o contrato. A expectativa é de que ele consiga viajar com o elenco para os Estados Unidos ainda no domingo. Pablo tem 25 anos e não vinha sendo aproveitado no Bordeaux. Ele tem contrato com o clube até 2019.

Desde o fim da temporada passada, o Corinthians procurava alguém que pudesse jogar ao lado de Balbuena. O entendimento era que o zagueiro paraguaio tinha caído de produção desde a saída de Felipe, vendido ao Porto no meio do ano passado.

Se o Corinthians não negociou com Drogba, alguém se passou por ele

2016-05-14-imfc-vs-phi-cimon-88

A notícia divulgada pelo UOL mexeu com o noticiário esportivo de hoje. O Corinthians teria feito uma proposta para ter o marfinense Drogba por um ano. Ele está sem clube desde novembro quando terminou o contrato com o Montreal Impact, onde jogou a Major League, em 2015 e 2016. Disputou 41 partidas e marcou 23 gols. O departamento de futebol do clube logo deu demonstrações de que não quer o atacante, de 38 anos, sob a alegação de que ele estaria em declínio técnico.

O fato é que houve dentro do departamento de marketing uma movimentação nesse sentido e que deveria ter ficado em sigilo. O projeto Drogba seria custeado com dinheiro do próprio clube, viria por algo em torno de 400 mil reais, praticamente o mesmo salário destinado a Cristian. “Está em um processo avançado de finalização”, me disseram, “algo em torno de 48 horas”.

Drogba, apesar da idade avançada, seria usado também para alavancar ações de marketing, mas nada parecido com o que foi feito na contratação de Ronaldo em 2009. O atacante, considerado uma lenda pela torcida do Chelsea, teria se interessado pelo projeto e pelo desafio de jogar no futebol brasileiro.

Se tudo isso teve a autorização do futebol, ninguém confirma, nem desmente. Oficialmente também ninguém se pronunciou. De tudo isso, uma única certeza, alguém se passou por representante do Corinthians junto a um dos melhores atacantes dos últimos anos. E o tempo vai dizer se a Comissão Técnica corintiana estava certa ou errada ao descartá-lo.

Roberto, pior do que gastar, é gastar mal.

roberto-andrade-221015

A torcida do Corinthians se revoltou com a contratação do jogador do Sport Recife. Um desconhecido chamado Paulo Roberto, que foi reserva no Bahia e no próprio time pernambucano. Roberto de Andrade já havia trazido para a posição o jovem Jean, de 22 anos, no ano passado. Pouco jogou e cogita-se que será emprestado. Willians também andou por lá e nunca agradou, tanto é que foi devolvido antes do fim do empréstimo.

A situação financeira do clube é caótica desde uns 20 anos para cá. Ainda me lembro dos tempos em que Zezinho Mansur, empresário do ramo de vidraçaria, botava dinheiro no clube, nos anos 90. Mas pior do que não ter dinheiro é gastar mal. Aí o Corinthians parece expert. A quem interessa contratar jogadores desconhecidos se pode ter um outro no mesmo padrão no juniores? Porque se não houver no elenco que disputa a Copinha um volante de marcação que sirva para ser reserva de Bahia e Sport, então tem algo de muito podre no Parque São Jorge.

Façam suas apostas: quem vai durar?

baptistaa1imagem_61538_large

Três grandes clubes do Brasil. Juntos, somam 21 títulos de Campeonatos Brasileiros, seis Copas do Brasil, cinco Mundiais e cinco Libertadores. Na última temporada foram os times que mais levaram torcida aos estádios no país. Não há dúvidas que Palmeiras, São Paulo e Corinthians são gigantes e vitoriosos. Se atraem público, também chamam a atenção, o que só aumenta o desafio de quem comanda o futebol por lá. Pois sob esse aspecto é que quero debater: quem se arriscou mais nas contratações dos novos treinadores?

Comecemos pelo Palmeiras. Último campeão brasileiro, o nono título da competição, aliás, o maior vencedor. Ouviu um “não” de Cuca, que não quis renovar, e apostou em Eduardo Baptista. Entre o trio de treinadores, é o mais experiente “pero no mucho”. Assumiu o cargo há três temporadas no Sport Recife. Tem 46 anos e dois títulos de expressão: a Copa do Nordeste e o Estadual de Pernambuco, ambos em 2014.

Seu grande ano , porém, foi em 2015, quando o Sport Recife fez ótima campanha no Brasileirão. Esteve em alta até trocar o time do Recife pelo Fluminense durante a mesma temporada. Um erro que lhe custou o cargo meses depois e deixou a pecha de treinador que não vingou em um time de maior orçamento.

Este ano, dirigiu a Ponte Preta no Campeonato Nacional e estava seguro no cargo até aceitar substituir Cuca. Terá uma temporada cheia de desafios. Levar o Palmeiras ao segundo título da Libertadores é a obsessão de 2017. Antes, terá que descobrir um substituto para Gabriel Jesus. O torcedor, que mostrou não estar convencido da qualidade do novo comandante, pode esperar uma equipe organizada, compacta e que saberá o que fazer em campo. Para isso, uma dose de paciência será exigida junto às arquibancadas pois aquele time campeão, que dominou o segundo semestre, perdeu duas peças muito importantes.

Paciência é uma palavra que cabe aos outros dois rivais. No São Paulo, Rogério Ceni é M1to e ponto final. Ou mais ou menos isso. O goleiro, sem dúvida. O técnico vai ter de ser experimentado. Apenas um ano de aposentadoria ajuda a saber como estão os vestiários modernos, mas, aos 43 anos, ele está preparado para administrar o grupo?

A presença do inglês Michael Beale na comissão técnica vai ajudar na construção dos treinos. Ele já tem experiência nisso, com passagem pelo Liverpool, e sabe observar a base também. Agora, ninguém pode assegurar o futuro de um time que tem no comando um treinador novato. Modelo de jogo, esquemas táticos, haja interrogação sobre o que será RC como técnico são-paulino. Da mesma forma, ninguém imagina o tamanho da paciência com o ídolo caso os resultados não apareçam.

Fábio Carille também depende de resultados para sobreviver no Corinthians. Guindado ao posto de técnico, depois de oito anos auxiliando Mano Menezes, Adílson Batista, Tite,  Cristóvão Borges e Oswaldo de Oliveira, ele tem a vantagem de conhecer o grupo e o clube. Sabe quais são as deficiências do elenco. Muitas. As qualidades, poderá explorá-las também.

O novo treinador corintiano tem a mesma idade do colega do São Paulo. Assumiu dizendo que vai trabalhar como Tite. Na coletiva, tudo funcionou bem, no campo é que são elas. Dirigiu interinamente o time dez vezes. Venceu quatro e perdeu outras quatro, com dois empates. Pode alegar, com razão, que nunca teve tempo para trabalhar e aí pode residir o problema. Quem, depois de Tite teve tempo no Corinthians atual?

Carille sabe que precisa ganhar e vai jogar as fichas no Paulistão. “É o nosso Mundial”, exagerou. Melhor seria dizer que é o “Mundial” dele. Ele não pode desconhecer a efervescência política que vive o clube. Gente querendo tirar o presidente e um presidente que anda se escondendo de gente. Roberto de Andrade bancou, de peito estufado, a contratação de Oswaldo de Oliveira. Nove míseros jogos depois, de barriga murchinha, o demitiu. Se o treinador do “presidente” caiu em tão pouco tempo, por que Carille deve acreditar que terá vida longa sem vitórias?

A temporada 2017 está logo ali. As fichas foram todas postas. Os clubes escolheram seus comandos e não há ilusão de que o rendimento será avaliado antes das vitórias. Acreditar nisso é tão difícil quanto achar que Eduardo, Rogério e Carille, os três, estarão nos seus cargos no fim do ano que vem.